Avaliação do Usuário
PiorMelhor 
 

TRÊS PILARES DO ZEN – (1) grande resolução (daifunshi), (2) grande raiz de fé (daishikai), e (3) grande dúvida (daigidan).

TRÊS PRECEITOS COLETIVOS PUROS – (1) "Com pureza de coração, eu juro me abs­ter de praticar o mal; (2) com pureza de coração, eu juro praticar o bem; (3) com pureza de coração, eu juro prestar benefícios a todos os seres.

TRÊS RAÍZES (tib., Tsawesum/ Rtsa Ba'i Gsum) - os três objetos de refúgio do budismo Vajrayana: (1) o mestre (Guru), (2) a divindade meditacional (Yidam), e (3) a Dakini.

TRÊS REFÚGIOS - veja Triratna.

TRÊS REINOS INFERIORES – (1) o plano dos animais, (2) o plano dos fantasmas famintos, e (3) o dos seres do inferno.

TRÊS SELOS DO DARMA: as três características básicas da existência, que são: (1) impermanência, (2) o inter-relacionamento de todas as coisas e a conseqüente ausência de individualidade ou essência de todas as coisas, e (3) nirvana.

TRÊS TEMPOS - passado, presente e futuro.

TRÊS TIPOS DE CONHECIMENTO ALCANÇADOS POR SHAKYAMUNI – o primeiro é a lembrança de todas as suas existências anteriores – algumas agradáveis, outras dolorosas – que ele consegue ver como que iluminadas por um poderoso holofote; o segundo conhecimento, alcançado durante a segunda parte da noite de sua iluminação, possibilitou-lhe ver todos os seres em seus verdadeiros estados. Assim, pode ver todos os habitantes do universo em suas várias situações de prazer e dor, bem-estar e miséria, conforme o equilíbrio dos seus carmas; no terceiro conhecimento Buda, alcançado quando a sua noite histórica chegava ao fim, foi ele se sentir livre das limitações e impurezas da existência cármica, liberado para o nascimento final. O seu corpo físico precisava seguir o seu curso, porém isso não mais gerando conseqüências cármicas; quando, terminando sua vida, o corpo se dissolveria no Nirvana.

TRÊS VENENOS - cobiça, ira e ignorância, fontes de toda a ilusão e do sofrimento no mundo.

TRÊS VOLTAS DA RODA DO DARMA

Primeira volta: proferida pelo Buda no Parque dos Cervos perto de Sarnath para os cinco primeiros discípulos humanos e uma grande assembléia de deuses, com o propósito de libertar os seres da enganosa concepção da existência de um “eu”. Seguidas por todas as radições do Darma, as doutrinas fundamentais da Primeira Volta são:

  1. as Três Marcas da Existência: impermanência, não-eu e sofriemnto.

  2. o Caminho do Meio: o caminho que evita os extremos do niilismo e eternalismo, ascetismo e auto-indulgência.

  3. as Quatro Nobres Verdades: (1) toda existência é caracterizada por sofrimento; (2) o sofrimento tem uma causa; (3) o sofrimento pode ter um fim; (4) o sofrimento pode terminar seguindo-se o Caminho.

As Quatro Verdades são explicadas pelo Buda de três maneiras: I) como as coisas são; II) o que deve ser compreendido; III) o Iluminado compreende todas as verdades.

  1. o Caminho de Oito Passos: (1) visão pura; (2) intenção pura; (3) fala pura; (4) ação pura; (5) modo de vida puro; (6) esforço puro; (7) atenção consciente pura, e (8) concentração pura.

  2. Corrente da Originação (Causação) Interdependente: o ciclo de doze elos das conexões causais que ligam os seres à existência samsárica; o ciclo que perpetua o sofrimento humano.

Segunda Volta: os ensinamentos transmitidos pelo Buda no Pico dos abutres perto de Rajagrha, a milhares de seguidores e inúmeros Bodhisattvas. O objetivo destes ensinamentos, proferidos por um período de muitos anos, é libertar os seres de todos os resíduos das visões falsas. Eles abrangem o Prajnaparamita, “Mãe de todos os Budas”, a origem de todos os veículos para a realização. Esta transmissão, que revela a profundidade da visão de Buda, ensinou o vazio de todos os elementos da realidade e a inseparabilidade da verdade relativa e da verdade última. Segundo estes ensinamentos, a união de meios hábeis com sabedoria desperta os Seis Paramitas, ou perfeições, a essência da prática do Bodhisattva: generosidade, conduta moral, paciência, vigor, concentração meditativa e sabedoria.

Terceira Volta: os ensinamentos proferidos pelo Buda em vários tempos e lugares a inúmeros Bodhisattvas. A amplitude da visão apresentada nestes ensinamentos extingue todas as concepções extremas, guiando os seres à compreensão correta, revelando o potencial para a Iluminação presente em todos os seres sencientes.

TRI-VIDHANI SHILANI (sânscr.) - os três tipos de preceitos do Mahayana para o Bodhisat­tva: (1) samvara-shila: preceitos do bodhisattva, como os cinco preceitos, os oito preceitos, os dez preceitos e os preceitos da ordenação plena. Seu propósito é levar os seres sencientes a se engajar em atividades íntegras e evitar más ações (Fo Guang Encyclopedia, pág. 6.847-6.848); (2) kushala-dharma-samgrahaka-shila: o preceito de fazer o voto de levar à completude todo Darma íntegro (qualquer atividade baseada em raízes benéficas, como ausência de paixão, agressão e ilusão) e cum­prir todos os demais preceitos que levam à consciência búdica (Fo Guang Encyclopedia, pág. 6.849-6.850), e (3) sattvartha-kryia-shila: preceito de ser benéfico para os demais seres sencientes (Fo Guang Encyclopedia, pág. 6.849).

TRIKAYA (sânscr.) - no budismo Mahayana, os “Três Corpos do Buda”: (1) corpo do Darma (Dharmakaya), (2) corpo do êxtase completo (Sambhogakaya), e (3) corpo da emanação (Nirmanakaya).

TRILAKSHANA (sânscr.; páli, tilakkhana) - três ramos que caracterizam o samsara: (1) impermanência (anitya), (2) sofrimento (duhkha), e (3) o não-eu (anatman).

TRINTA E SETE CONDIÇÕES CONDUCENTES AO ESTADO DE BUDA - as 37 con­dições básicas que levam à iluminação. Consulte os Agamas para maiores detalhes.

TRIPITAKA - os ensinamentos do Buda formam um cânone chamado Tripitaka (sânscr.), ou Tipitaka (p?li): "Os três cestos", pois subdivide-se em três categorias: Sutra (ensinamentos do Buda), Vinaya (preceitos e regras) e Abidharma (comentários sobre os ensina­mentos do Buda). São dois os principais conjuntos de Tripitaka ou Cânones: o Theravada, escrito no idioma páli, e o Mahayana, escrito em sânscrito e preserva­do em chinês e em tibetano. O segundo inclui todos os textos do primeiro, além de conter sutras e comentários próprios.

TRIRATNA (sânscr.; páli, Tiratna; jap., Sanbô) – As Três Jóias, ou Os Três Preciosos, ou Jóia Tríplice, ou Os Três Refúgios do Budismo, que são: (1) o iluminado (Buddha), (2) o ensinamento (Dharma) e (3) a comunidade budista (Sangha).

TRISHARANA (sânscr.; páli Tisarana) - Três Refúgios, Triratna.

TRISIKSA – três treinamentos.

TRIVIDYA (sânscr.) - "três intuições"; a percepção intuitiva de que todos os fenômenos são impermanentes, dolorosos e desprovidos de es­sência.

TS'ANG-T'UNG-CHI'I (chinês; jap., Sandôkai) - identidade do Relativo e do Absoluto; poema do monge Zen chinês Shih-T'ou Hsi-Ch'ien (jap., Sekitô Kisen).

TS'AO-SHAN PEN-CHIH (chinês; jap., Sôzan Honjaku) - monge Zen japonês (840-901), um dos fundadores da linhagem Ts'ao-Tung[-Tsung] (Sôtô[-Shû]).

TS'AO-TUNG[-TSUNG] (chinês; jap., Sôtô[-Shû]) - escola Zen chinesa, fundada por Tung-Shan Liang-Chieh (jap., Tôzan Ryôkai) e Ts'ao-Shan Pen-Chih (jap., Sôzan Honjaku), introduzida no Japão pelo monge Eihei Dôgen.

TSO-CH'AN (chinês) - veja zazen.

TSONGKHAPA (tib., Tsong Kha Pa) - monge tibetano (1357-1419), também conhecido como Je Rinpoche, fundador da escola Gelug e criador dos ensinamentos Lamrim.

TSUNG-MI - monge chinês (780-841), último patriarca da escola chinesa Hua-Yen. Também conhecido como Mestre Kuei-feng.

TU-SHUN - monge chinês (557-640), primeiro patriarca da escola Hua-Yen.

TÜLKU (tib., Sprul Sku) - corpo de emanação, Sambhogakaya; no budismo tibetano, pessoa reconhecida como o renascimento de um Lama falecido.

TUMO (tib., Gtum Mo) - chama interior; uma das seis yogas de Naropa (Naro Chödrug).

TUSHITA ou Paraíso Tushita – reino habitado pelos “deuses contentes” (devas). Paraíso reservado a todos os Budas que necessitam renascer apenas uma vez mais na Terra para completar sua libertação dos últimos resquícios cármicos.

TZ’U-EN TA-SHIH (chinês) – o Grande Mestre Tz’u-en.

 

U

 

UDDAKA RAMAPUTA – segundo mestre indiano, após Alara Kalama, com quem Sidarta, e seus cinco companheiros de ascese, continuaram sua iniciação.

UNIDIRECIONALIDADE - o estado de se estar exatamente presente no momen­to dado; a capacidade de se concentrar ou de manter a atenção em uma deter­minada tarefa sem se distrair.

UNMEM[-SHÛ] (jap.) - escola Zen japonesa, derivada da escola Yun-Men[-Tsung] chinesa.

UNMON BEN'EN (jap.) - veja Yun-Men Wen-Yen.

UNSUI (jap.) - noviço Zen.

UPANISHAD – “doutrina” secreta, crenças; obras prolongando certas especulações dos Brahmana (interpretações do brahman).

UPALI - um dos principais discípulos de Buda, recitador do Vinaya Pitaka.

UPASAKA (sânscr. e páli) - leigo.

UPASIKA (sânscr. e páli) - leiga.

UPATISSA – mesmo que Shariputra.

UPAYA (sânscr.) - “métodos hábeis”, “métodos eficazes”; as técnicas pedagógicas e metodologias utilizadas por um Buda ou Bodhisattva para conduzir as pessoas à iluminação.

UPEKSHA (sânscr.; páli, upekka) – “equanimidade”; uma das quatro Brahma-Viharas.

URNA (sânscr.; páli, unna) - “lã”; tufo de pêlos entre as sobrancelhas, uma das 32 marcas ou sinais do Buda.

USHNISHA (sânscr.) - “turbante”; tornou-se a protuberância craniana na iconografia búdica; uma das 32 marcas ou sinais do Buda.

 

V

 

VACUIDADE - ausência ou falta de existência inerente, a na­tureza última de todos os fenômenos.

VAIBHASHIKA (sânscr.) - filosofia derivada da escola Sarvastivada.

VAIROCHANA (sânscr.; jap., Dainichi Nyorai) - “aquele que é como o sol”; um dos cinco Dhyani-Buddhas, muito venerado pela escola japonesa Shingon; personificação do dharmakaya; Buda que tem particular importância no budismo esotérico.

VAISHALI - um dos dezesseis reinos e também uma das seis grandes cidades da Índia anti­ga, localizada na margem setentrional do rio Ganges. O Buda Shakyamuni dis­cursou ali em várias ocasiões, incluindo aquelas em que expôs o Sutra do Buda da Medicina e o Sutra Vimalakirti. Além disso, foi lá que se reuniu o Segundo Concílio budista da história em 383 a.E.C.

VAJRA (sânscr.; jap., Kongô-Sho; tib., dorje/ rdo rje) - diamante; símbolo do vazio indestrutível.

VAJRACCHEDIKA-PRAJNAPARAMITA SUTRA (jap., Kongô-Kyô) - Discurso do Lapidador de Diamantes da Perfeição da Sabedoria; texto do budismo Mahayana, integrante do Prajnaparamita Sutra.

VAJRADHARA (sânscr.; tib., Dorjechang/ Rdo Rje 'Chang) - Detentor do Vajra; no budismo Vajrayana, o Buda da Mente Pura, o aspecto Sambhogakaya do Buda.

VAJRADHARMA (sânscr.; tib., Dorjechö/ Rdo Rje Chos) - Ensinamento Vajra; no budismo Vajrayana, o Buda da fala pura.

VAJRASATTVA (sânscr.; tib., Dorje Sempa/ Rdo Rje Sems Dpa') - Ser Vajra; no budismo Vajrayana, o Buda do corpo puro, associado à purificação.

VAJRAYANA (sânscr.; tib., Dorjetepa/ Rdo Rje Theg Pa) – “Veículo de Diamante”; forma esotérica do budismo Mahayana, baseada nos ensinamentos dos Tantras. É a forma de budismo nativo do Tibete. Existem quatro grandes linhagens: Kagyu, Nyingma, Gelugpa e Sakya.

VASUBANDHU - monge indiano da escola Sarvastivada que se tornou um grande erudito budista, sendo convertido à escola Mahaya­na por seu irmão Asanga. Teria vivido por volta dos séculos IV-V E.C.

VAZIO – veja shunyata.

VATSIPUTRIYA - escola surgida por volta de 240 a.E.C. a partir da do grupo Sthaviravada; também conhecida como Pudgalavada.

VEÍCULO ÚNICO (sânscr., ekayana) - o veículo do Buda, o ensinamento uno que leva à suprema iluminação e ao alcance da budeidade. De um ponto de vista relativo, ekayana se opõe ao veículo do Buda ou do Bodhi­sattva ("grande veículo" ou Mahayana) e ao veículo do shravaka ou pratyekabuddha ("pequeno veículo” ou Hinayana); os três juntos são chamados "três veículos" (triyana), cujos ensinamentos são aplicados de acordo com a habilidade do praticante. Em sentido absoluto, ekayana se refere à realidade última, que inclui e transcende todos os ensinamentos oportunos e transitórios do Hinayana e do Mahayana. Quando o veículo absoluto do Buda é exposto, nenhum dos outros métodos permanece válido, já que somente ele expressa o supremo ensinamento do budismo. Este uso do conceito de ekayana é encontrado no Sutra Lótus, que esclarece que todos os seres - pessoas comuns e santos, homens e mulheres, leigos e sacerdotes - podem se iluminar. Em sua época, esse foi um ensinamento revolucio­nário, pois as mulheres e os seguidores leigos haviam sido considerados incapazes de alcançar o estado de Buda. O ensinamento do Sutra do Lótus proclama conter o mais perfeito ensinamento do budismo. É a base doutrinal das escolas Hua-yen e T'ien T' ai.

VENTOS INTERIORES - ventos especiais, relativos à mente, que fluem através dos canais do corpo. O corpo e a mente não podem fun­cionar sem esses ventos.

VESAK (páli) – mês de Maio; na lua cheia deste mês Shakyamuni teve o seu nascimento, a sua iluminação e a sua passagem ao Parinirvana.

VIBHAJYAVADA - escola surgida por volta de 240 a.C. a partir do grupo Sthaviravada; deu origem às escolas Mahishasika e Theravada.

VIDYA-CHARANA-SAMPANA (sânscr.) - “atividade da brilhante plenitude”; é um dos dez epítetos do Buda. Representa a iluminação suprema e a “atividade” que concerne à conduta que tem por base seguir os preceitos, praticar a meditação e aperfeiçoar a sabedoria. Portanto, pode-se dizer que o Buda alcançou a iluminação suprema como resultado da plena execução das práticas citadas.

VIHIMSA – crueldade, violência, tortura.

VIJNANAVADA (sânscr.) - veja Yogachara.

VIMALAKIRTI-NIRDESHA SUTRA (sânscr.) - Discurso de Vimalakirti; texto do budismo Mahayana escrito por volta do século II.

VINAYA (sânscr.) – regras monásticas.

VINAYA PITAKA (sânscr.) - Cesto das Disciplinas; parte do Tripitaka.

VIPAKA – resultado, conseqüência, efeito.

VIPASHYANA (sânscr.; páli, Vipassana) - veja Shamatha-Vipashyana.

VIRYA (sânscr. e páli) - esforço; uma das seis paramitas.

VISUDDHIMAGGA (páli) - a "Via da Purificação"; texto da escola Theravada escrito pelo monge Buddhaghosa que resumiu a parte do Abhidhamma sobre meditação no Visuddhimagga no século V E.C. Buddhaghosa explica que a "purificação" definitiva deve ser estritamente entendida como nibbana (sânscr.: nirvana), que é um estado alterado de consciência.

VOTO DE BODHISATTVA - o voto fundamental que é feito por um bodhisattva de salvar todos os seres sencientes da ilusão e do sofrimento.

VYAPADA – malevolência, má-vontade, ódio.

 

W

 

WAKA (jap.) - poema japonês de 31 sílabas.

WAT (tail.) - templo budista tailandês.

WATO (jap.) - ponto crucial de um kôan.

WEI LÜEH (chinês) – breve relato dos Wei.

WEI-SHIH (chinês) – (escola) Consciência-apenas.

WEI SHU (chinês) – história dos Wei.

WEN-SHU (chinês) - veja Manjushri.

WEN-TA (chinês) - veja mondô.

WON (cor.) - círculo; movimento budista coreano fundado pro Soe-tae San (1891-1943).

WU (chinês) – não-ser; veja bodhi, satori.

WU-CHING (chinês) – Cinco Clássicos.

WU-MEN-KUAN (chinês; jap., Mumonkan) - Portão sem Portão; coletânea de 48 kôans, compilados pelo monge chinês Wu-Men Hui-K'ai.

WU-MEN HUI-K'AI (chinês; jap., Mumon Ekai) - Monge Zen Chinês (1183-1260) da linhagem Yôgi da escola Rinzai, autor do Wu-Men-Kuan.

 

X

 

XÁTRIAS (sânscr., Kshatriya): segunda das quatro castas da antiga sociedade indiana, composta por guerreiros e governantes. Era a casta de Sidarta Gautama.

XINTOÍSMO - é a religião nativa do Japão, conhecida como o "caminho dos deu­ses". Seus seguidores cultuam a natureza e seus antepassados.

 

Temos 78 visitantes e Nenhum membro online

Informações do Portal

Visitantes
819
Artigos
1368
Weblinks
27
Ver quantos acessos teve os artigos
9882046