Artigos de Yoga

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

Mahabharata (Parte 3)

 

1. O pedido de AgniAgni engole a floresta

Um dia, enquanto Krishna e Arjuna estavam conversando embaixo de uma árvore na véspera da visita de Krishna com os Pandavas, um Brahmin se aproximou e pediu por sua ajuda.

“Como posso ajudá-lo?”, perguntou Krishna.

O Brahmin respondeu, “Eu sou Agni, o deus do fogo. Eu estou muito faminto para comer carne. Eu estou cansado de comer somente ghee, que é manteiga concentrada, oferecida a mim pelos sábios. Me ajude a comer os animais da floresta de Khandava. Eu tentei cumprir esta tarefa por mim mesmo muitas vezes, mas desafortunadamente, Indra, o deus do tempo, protege a floresta de Khandava.

Logo que eu tento queimar a floresta, Indra derrama chuva e eu sou extinto. Eu preciso da sua ajuda para parar Indra até eu acabar de consumir a floresta de Khandava.”

Krishna e Arjuna aceitaram ajudar Agni. Entretanto, eles não tinham nenhuma arma celestial para combater Indra. Eles falaram a Agni as suas limitações. Então Agni, através de seus poderes divinos, produziu armas celestiais que e Arjuna precisavam. Krishna

Quando tudo estava pronto, Agni colocou fogo na floresta e num piscar de olhos a floresta inteira estava em chamas. Indra estava prontamente informado e ele correu com seu exército para proteger a floresta de Khandava. Krishna e Arjuna com sucesso pegaram o exército de Indra na baía. De repente Krishna viu um demônio sair correndo da floresta e Agni estava perseguindo-o. O demônio procurou o refúgio de Arjuna. O deus do fogo se voltou para trás e deixou-o com Arjuna. Finalmente, Agni estava satisfeito e agradeceu a Krishna e Arjuna.

2. O palácio de Yudhishthira

Quando Agni se foi, o demônio se apresentou para Krishna e Arjuna. “Eu sou Maya (ilusão), o arquiteto de Vishwakarma. Eu possuo uma técnica miraculosa na arquitetura. Deixe-me fazer algo para vocês em troca por terem salvado minha vida” ele disse.

Krishna pediu para Maya construir um palácio para o rei Yudishthira, o qual seria o melhor do mundo. Maya contente aceitou.

Num instante, um lindo palácio foi construído em Indraprastha, o reino dos Pandavas. O sacerdote real sugeriu que uma inauguração fosse feita para o palácio antes dele ficar ocupado. Os Pandavas, em reunião com Krishna, decidiram fazer Rajasuya Yajna para sua inauguração. Uma das condições do Rajasuya Yajna é que os reinos vizinhos deveriam aceitar a supremacia do executor, os Pandavas. O único que se opôs a isso foi Jarasandha, o governador de Magadh.

Sob o conselho de Krishna, Yudhishthira mandou a equipe de Bheema, Arjuna e Krishna para Magadh para conhecer Jarasandha. Jarasandha prendeu muitos reis e ocupando seus reinos derrotando-os em um duelo. Ele era abençoado por Shiva e era praticamente invencível.

A história diz que o pai de Jarasandha estava desesperado por um filho e rezou para o Senhor Shiva. O Senhor Shiva estava honrado e deu-lhe uma fruta. Shiva disse, “Diga a sua esposa para comer a fruta e em breve ela vai ter um filho”, Mas o pai de Jarasandha tinha duas esposas. Ele tinha de ser justo com cada esposa então ele dividiu a fruta, dando uma metade para cada esposa. Como resultado, cada esposa deu à luz a cada metade da criança. Uma feiticeira, chamada Jara, juntou estas duas peças e, portanto, o filho chamou-se Jarasandha. O corpo de JarasandhaKrishna sabia o segredo para matar Jarasandha. Ele revelou esse segredo a Bheema. tinha uma junção vertical desde o topo até o final da espinha dorsal. A única maneira que ele poderia ser morto era rasgá-lo e ninguém era forte o suficiente para isso. Entretanto,

Jarasandha estava informado da chegada da equipe de Krishna, Bheema e Arjuna. Como esperado, JarasandhaPandavas. Assim, Krishna pediu para ele escolher um dos Pandavas para resolver o problema. Jarasandha sabia que ele não seria pego por Arjuna por causa das suas técnicas superiores no arco-e-flecha. Então, ele escolheu Bheema e estava confiante que iria derrotá-lo no duelo. Os dois prometeram lutar um contra o outro até a morte. recusou aceitar a supremacia dos

A luta prosseguiu por muitas horas e finalmente Bheema levantou-o e o arremessou para baixo com um forte ruído. Então ele rasgou o corpo de Jarasandha em duas partes. Jarasandha estava morto. Todos os reis foram libertados da prisão. Eles agradeceram Krishna e Bheema por terem salvado suas vidas. Eles tornaram-se amigos dos Pandavas e aceitaram sua supremacia. O filho de Jarasandha, Sahadev, sucedeu o trono de Magadh e tornou-se um dos mais fortes aliados dos Pandavas.

Todos os reis, inclusive os Kauravas, foram convidados para o Rajasuya Yajna e a adoração ao fogo estava completa com grande entusiasmo. Todos os dignitários honraram Krishna. Bheeshma, o avô, falou muito dele e declarou-o como a encarnação de Deus num corpo humano.

O único que não estava feliz pela presença de Krishna era Sishupal, primo de Krishna. Ele invejava Krishna. A mãe de Sishupal sabia do defeito de seu filho e do poder de Krishna. Então, ela fez Krishna prometer que ele não iria ter nenhuma ação contra o seu filho até mesmo se Sishupal ofendesse Krishna mais de cem vezes. Sishupal ofendeu Krishna publicamente na cerimônia e com raiva do pedido de Bheeshma para parar. Krishna ficou calmo até que os insultos ultrapassassem de cem vezes. Então Krishna cortou sua cabeça com seu chakra (disco).

Seguindo a grande cerimônia, todos os convidados foram embora com uma grande apreciação dos Pandavas. Mas e seu tio materno Shakuni estenderam sua permanência como convidados reais especiais em ordem de apreciar a grandeza do lindo palácio de Yudhishthira. O palácio era cheio de coisas ilusórias. DuryodhanaShakuni, “Tio, eu não posso trazer a prosperidade aos Pandavas. Eu sinto como se eu estivesse atacando-os e tirando deles toda sua riqueza.” Duryodhana repetidamente zombava e sua apreciação logo se tornou claramente invejosa. Ele disse para

“Eu sei um jeito que eles podem ser arrancados e mandados para o exílio” disse Shakuni com sua voz esperta.

Duryodhana estava ficando impaciente pra saber do truque de Shakuni. Porém Shakuni pediu para ele esperar até eles saírem do palácio fascinante. “Quem sabe, as paredes podem ter orelhas,” disse Shakuni agitado.

Yudhishthira perde tudo no jogo de dados3. Uma trama para derrotar os Pandavas

A caminho de Hastinapur, Shakuni revelou seu plano maléfico para Duryodhana. Ele disse, “Yudhishthira é apaixonado por jogos de dados, e ninguém pode me derrotar neste jogo porque eu uso dados enfeitiçados. Seu trabalho é persuadir seu pai, Dhritarashtra, a convidar Yudhishthira para jogar dados comigo na presença de todos os dignitários na corte. Deixe o resto comigo.”

Quando Duryodhana chegou a Hastinapur, ele foi diretamente para Dhritarashtra e narrou a próspera condição dos Pandavas. Dhritarashtra era um bom homem e estava muito feliz de ouvir que os filhos de seus irmãos, os Panvadas, estavam indo bem.

Encontrando o momento apropriado, Duryodhana perguntou “Pai, nos deixe ter uma celebração especial para demonstrar nossa amizade com os Pandavas, convidando-os para irem até Hastinapur. Nós convidaremos também outros dignitários para essa ocasião em que o centro das atenções e do entusiasmo será o jogo de dados entre Yudhishthira e nosso tio materno Shakuni.”

Dhritarashtra não compreendeu o plano maléfico de Duryodhana e Shakuni. Ele estava cego e foi generoso com seu filho mais velho, Duryodhana. Então, ele permitiu Duryodhana ao seu modo.

O convite para o jogo de dados foi para Yudhishthira e ele aceitou. Os Pandavas chegaram no dia anterior juntamente com Draupadi deixando para trás sua mãe Kunti e seus filhos com Subhadra. Os Pandavas descansaram à noite na hospedaria e chegaram à sala de jogos no outro dia, o dia do jogo de dados real. Outros dignitários reais também chegaram e Dhritarashtra e seus cortesões os receberam.

Antes do início do jogo, Shakuni desejou boa sorte a Yudhishthira e disse “Sua majestade! Deixe-nos decidir sobre as apostas.”

Yudhishthira advertiu, “Tio, deixe-nos manter o jogo justo.”

Shakuni era um jogador profissional e ele sabia o ponto fraco de seu adversário. Ele revidou, “Yudhishthira, deixe os dados decidirem a nossa sorte. Jogue sem medo se você tem coragem e aceite o que quer que venha disso. Se você tem medo, você pode recusar e ir embora agora. Não há saída depois disso.”

O orgulho de Yudhishthira foi ferido. Ele não queria desistir na frente dos dignitários que vieram para testemunhar o jogo. Ele orgulhosamente disse, “Você pode exigir a aposta e eu irei aceitar isso.”

Duryodhana estava esperando pela oportunidade, ele falou de uma vez, “Eu deverei colocar as apostas e tio Shakuni deverá jogar os dados para mim. Isso é aceitável para você?” Yudhishthira aceitou.

Yudhishthira não estava ao nível de Shakuni. Usando seus dados encantados, Shakuni ganhou cada jogo, Eventualmente, Yudhishthira perdeu tudo, suas riquezas, seu reino, seus irmãos e finalmente até ele mesmo. No final, ele apostou sua esposa Draupadi e também a perdeu.

Duryodhana pediu ao seu irmão Dushashana para trazer Draupadi à corte. Quando Dushashana chegou até a hospedaria, Draupadi não sabia da calamidade que havia caído sobre sua família. Ela estava impressionada por ouvir que Yudhishthira havia apostado tudo o que os Pandavas tinham. Draupadi recusou ir até a corte. Dushashana, com o pretexto de cumprir as ordens de seu irmão mais velho, arrastou ela para dentro da corte pelos cabelos.

4. A humilhação de Draupadi

Karna tinha sua chance de humilhar os Pandavas em público e usou até mesmo os insultos que eles haviam usado contra ele no passado. Ele pediu a Duryodhana para ordenar tirarem os trajes reais que os Pandavas e sua esposa Draupadi estavam vestindo. Dushashana não poderia encontrar uma maneira melhor de insultar Draupadi em público.

Draupadi olhou à sua volta, mas não havia ninguém que pudesse a ajudar. Ela finalmente chamou por Krishna para salvar sua honra. Enquanto Dushashana puxava o saree dela para desgraçá-la, Krishna invisivelmente supria os Saris um após o outro e Draupadi não podia ser despida.

Quando Dushashana ficou cansado de puxar o saree, Duryodhana ordenou Draupadi, “Você agora é minha empregada, sente na minha coxa.”

Bheema não podia mais tolerar os insultos e gritou, “Eu prometo que um dia eu irei beber o sangue do coração de Dushashana e quebrar a coxa de Duryodhana por insultar uma mulher casta em público!”

Draupadi declarou aos mais velhos com raiva, “É uma vergonha para a raça dos Kshatriyas, os descendentes de Bharata, aceitarem que uma mulher casta da sua própria família seja desgraçada diante dos seus olhos. Eu condeno os mais velhos, os tão chamados guerreiros, sentados aqui assistindo minha desgraça.”

Dhritarashtra estava abalado. Ele pediu aos seus filhos para pararem e ele se desculpou com Draupadi com medo da maldição que cairia sobre os Kauravas.

Então ele pediu que Duryodhana aceitasse uma alternativa para livrar os Pandavas da escravidão. DuryodhanaHastinapur juntamente com a condição de que eles seriam desconhecidos durante estes treze anos. Se a identidade deles fosse revelada nesses treze anos, eles teriam que ir para um exílio por mais treze anos. aceitou bani-los por treze anos antes de voltarem a

Sob o pedido de Draupadi, Dhritarashtra devolveu todas as armas aos Pandavas e disse adeus, desejando o bem deles. Os Pandavas retornaram a Indraprashtra pela última vez para fazer os arranjos para sua mãe ficar com o tio deles, Vidur, e Subhadra, a esposa de Arjuna, com o irmão dela, Krishna, e com as crianças.

Os Pandavas enfrentaram tempos difíceis quando eles começaram seu exílio. Era difícil para os irmãos PandavasYudhishthira rezou para o deus do Sol, Surya, com a maior sinceridade. O deus do Sol veio e presenteou Yudhishthira com um prato de cobre miraculoso. para pegar comida suficiente para saciar sua fome.

“Dê esse prato para Draupadi. Ele lhe dará quantos pratos você quiser todo o dia até que Draupadi acabe sua refeição.”

Depois de retornar para casa da sua adoração diária, Yudhishthira deu a tigela de cobre para Draupadi e contou a ela tudo o que o deus do sol havia dito. Draupadi estava muito agradecida de ouvir da bênção e levou a tigela para a sua cozinha com uma grande reverência. Os Pandavas logo convidaram todos os sábios e santos para dividir alimento com eles.

Um dia Vyasa chegou para pagar sua doação aos Pandavas. Ele profetizou, “Após treze anos, seguindo seu período no exílio, haverá uma temível guerra contra os Kauravas quando vocês retornarem para Hastinapur. Finalmente vocês serão vitoriosos. A guerra irá deixar somente alguns sobreviventes dos descendentes de Bharata. Será sábio se vocês começarem a se preparar para a guerra que está próxima. Portanto comecem a adquirir quantas armas divinas vocês puderem durante o exílio.”

5. Encontro com Shiva

Seguindo o conselho de Vyasa, Arjuna começou a procurar pelas armas pelo Monte Kailash, a morada do Senhor Shiva. Alcançando Indrakeel, um sítio habitado por sábios no Monte Kailash, ele escolheu um ponto para meditar. Ele logo entrou numa meditação profunda para invocar Shiva. Depois de um longo tempo, Shiva estava satisfeito e decidiu realizar seus desejos. O Senhor Shiva sabia o que Arjuna pediria, mas ele não queria entregar sua arma divina, Pashupat, sem testar a prontidão de Arjuna para recebê-la. Então o Senhor Shiva disfarçou-se de caçador e saiu a caminho de Indrakeel. Parvati também o acompanhou como sua esposa. Os discípulos de Shiva (os Ganas) estavam curiosos e foram adiante disfarçados de mulheres caçadoras.

Quando eles alcançaram o ponto onde Arjuna estava meditando, eles viram um javali selvagem atacando Arjuna. Arjuna estava alerta e mirou no javali com seu arco-e-flecha. O Senhor Shiva simultaneamente mirou no javali selvagem. Logo as flechas, de Shiva e Arjuna, acertaram o javali e ele instantaneamente morreu.

Arjuna ficou perturbado por ver que sua presa fora acertada por outra pessoa. Ele desafiou o caçador sem saber da sua identidade. Isto resultou numa grande disputa entre o caçador e Arjuna. Finalmente Arjuna ficou exausto. Ele pediu ao caçador um tempo para rezar ao Senhor Shiva para recuperar suas forças. O caçador sorriu e deu-lhe o tempo.

Arjuna fez uma imagem do Senhor Shiva e rezou para ele pra reconstituir suas forças. Quando ele colocou a guirlanda na imagem, para sua surpresa, ele viu a guirlanda no pescoço do caçador. Ele percebeu que o caçador era ninguém menos que o Senhor Shiva. Ele caiu aos pés do Senhor Shiva e ofereceu suas sinceras reverências.

Tendo ficado muito satisfeito com a devoção de Arjuna, o Senhor Shiva disse a ele que ele poderia pedir o que ele quisesse como uma bênção. Arjuna pediu a arma Pashupat de Shiva para ser usada durante a guerra contra os Kauravas. O Senhor Shiva entregou a arma Pashupat para Arjuna com a graça de adquirir a capacidade de usá-la de acordo com sua vontade. Então ele desapareceu com Parvati e seus ganas.

Quando Shiva desapareceu, todos os outros deuses e deusas apareceram para parabenizar Arjuna e oferecer a ele suas armas divinas para lutar pela causa justa contra os Kauravas. Arjuna expressou seus sinceros agradecimentos a todos eles por o terem ajudado.

6. A maldição de Urbashi

O Senhor Indra convidou Arjuna a visitar Indralok, sua morada. Logo uma carruagem chegou e Arjuna partiu para Indralok.

Arjuna chegou no palácio de Indra em Amravati num piscar de olhos e estava maravilhado por sua beleza inigualável. Ele foi recebido com a devida honra como se fosse filho de Indra. Enquanto esteve na corte de Indra, Arjuna aprendeu música e dança de Chitrasen, chefe dos Gandharvas.

Quando Arjuna conheceu Urbashi, ele dirigiu-se a ela como “Mãe”. Urbashi era uma ninfa celestial e dançarina da corte de Indra. Ela era perfeitamente linda e eternamente jovem. Urbashi tentou fazer amor com Arjuna, mas ArjunaUrbashi estava magoada e amaldiçoou Arjuna para que ele se tornasse estéril no meio de mulheres encantadoras durante seu último ano no exílio. Urbashi estava encantada com o autocontrole de Arjuna e o abençoou dizendo, “Minha maldição se mostrará uma bênção durante o último ano do seu exílio para ocultar sua identidade”. insistiu que ele continuaria como seu filho.

7. A trama de Duryodhana

No final da sua estada em Amravati, Arjuna se preparou para retornar aos seus irmãos. Indra lhe deu a arma de Bajra, e o ensinou como usá-la. Arjuna voltou para sua família na carruagem de Indra e todos os irmãos Pandava estavam felizes ao ver seu retorno.

Através de um mensageiro Duryodhana soube que os Pandavas estavam na floresta de Dwitavana como ascetas. Eles decidiram ir até lá para uma caçada juntamente com Shakuni e Karna. A idéia era de começar uma briga com os Pandavas e então matá-los.

Indra ouviu isto e mandou o chefe dos Gandharvas, Chitrasen, para dar uma lição a Duryodhana, e então, depois disso, ele ficou humilde e deixou de aborrecer os Pandavas. Os Gandharvas eram bons não somente na música, mas também em jogos de luta.

Chitrasen veio para Dwitavana com seu exército e confrontou Duryodhana. No combate que seguiu, DuryodhanaDuryodhana foi trazido depois de Yudhishthira. Yudhishthira pediu a Chitrasen que libertasse seu primo, mas Chitrasen insistiu que Duryodhana deveria se desculpar por seu plano atroz. Duryodhana não tinha escolha. Ele se desculpou e os Kauravas voltaram para Hastinapur. e seu grupo foram presos.

Drhitarashtra e Bheeshma ouviram falar do encontro com os Pandavas, e eles também pediram para DuryodhanaPandavas e dividir o reino com eles. Duryodhana recusou. fazer as pazes com os

Como para os Pandavas, eles continuaram o exílio em Dwitavana. Num certo ponto, Yava, o deus da morte, apareceu para testar Yudhishthira por sua leal fé na verdade. Yudhishthira ultrapassou sua avaliação. Yama estava satisfeito e disse a Yudhishthira que lhe pedisse uma bênção. Yudhishthira pediu que Yama protegesse-os no décimo terceiro ano de exílio, porque eles precisavam ficar desconhecidos de acordo com a condição do exílio. YamarajVirata e que ficasse lá durante o décimo terceiro ano. Os Pandavas começaram a fazer as preparações para ir ao reino de Virata. abençoou Yudhishthira e pediu a ele que fosse até o rei

8. O Final do Exílio

Os Pandavas estavam preocupados pelo final bem sucedido do seu décimo terceiro ano de exílio, o período o qual eles deveriam passar sem serem reconhecidos. Duryodhana foi mandado para que se os Pandavas fossem reconhecidos durante seu exílio, eles ficariam no exílio por mais treze anos.

Seguindo o aviso de Veda Vyasa os Pandavas foram ao reino de Virata disfarçados. Em tempo, DuryodhanaPandavas. mandou seus espiões para descobrir o esconderijo dos

Escondendo suas armas, os Pandavas entraram no reino de Virata. Eles não foram reconhecidos pelo rei Virata e ele os recepcionou. Os irmãos Pandava e a princesa Draupadi pediram ao rei para conseguir alguns empregos para eles. Virata carinhosamente aceitou.

Yudhishthira se disfarçou de Brahmin, tornou-se um dos conselheiros mais confiáveis do rei. Bheema tornou-se chefe se cozinha. Arjuna, que aprendeu a arte da dança e da música de Chirtrasen em Indraloke, estava sob a maldição de Urbashi, uma linda dançarina do paraíso, para ficar estéril por um ano. Então Arjuna achou conveniente tornar-se professor de música e dança para a princesa Uttara. Nakula tornou-se tratador real e Sahadeva o vaqueiro real. E Draupadi tornou-se a empregada da rainha Sudeshana.

As coisas estavam indo bem até que o irmão mau da rainha, Keechak, o comandante dos exércitos de Virata, ficou interessado em Draupadi. Keechak pediu a mão de Draupadi em casamento. Draupadi, estando feliz de estar casada com os irmãos Pandava, recusou. Keechak, pensando que ela era somente uma empregada, se sentiu insultado por ter sido rejeitado. Uma noite ele decidiu entrar à força no quarto de Draupadi. Logo que Draupadi ouviu seu plano, ela implorou que Bheema a salvasse. Bheema, disfarçado de Draupadi, deitou na cama. Quando KeechakDraupadi, Bheema pulou da cama e matou-o. secretamente entrou no quarto de

No outro dia o cadáver de Keechak foi descoberto no quarto de Draupadi, sem pista de quem fora o assassino. Para salvar Bheema da raiva da rainha, Draupadi disse a ela que Keechak entrou no seu quarto, sem sua permissão. Quando ela gritou, alguém entrou e matou Keechak e ela não tinha idéia da sua identidade. A rainha se desculpou pelo crime cometido por seu irmão, mas nunca soube da verdade sobre o ato de Bheema.

9. A Grande batalha se aproximava

Logo, Duryodhana mandou seus homens a toda parte do mundo para descobrir o esconderijo dos Pandavas. Ele sabia que se ele pudesse localizar os Pandavas, que eram homens de honra, eles nunca contradiriam suas palavras e iriam recomeçar o exílio. Ele estava feliz por saber da morte de Keechak, pois ele era uma grande ameaça para o seu reino. Mas ele sabia que nenhum homem qualquer poderia matar o poderoso Keechak então ele suspeitou que Bheema pudesse ser o assassino. Ele decidiu invadir o reino de Virata. Logo o exército de Duryodhana atacou VirataDuryodhana planejou atacar pessoalmente o palácio de Virata pelos fundos. enquanto

À medida que a guerra se aproximava, Yudhishthira ofereceu seus serviços e de sua família para Virata. Essa era a manifestação do seu agradecimento diante de Virata por ter-lhes concedido abrigo. Todos os seus irmãos, exceto Arjuna, juntaram-se ao exército e num piscar de olhos capturaram Susharma.

Duryodhana, sem saber da captura de Susharma, atacou o palácio de Virata pelos fundos. O jovem príncipe UttarUttar por estar escondido no palácio, ele veio com a alegação que ele não tinha um cocheiro para guiar a carruagem, portanto ele não poderia ir à guerra. era o único homem que havia sido deixado no palácio, sendo que todos os outros já tinham saído para a guerra. Quando as mulheres provocaram

Quando Arjuna ouviu isso, ele prontamente ofereceu seus serviços Ele primeiramente levou a carruagem até a árvore na qual ele tinha escondido suas armas a quase um ano atrás. Uttar estava confuso, mas se manteve quieto, pois ele tinha medo de enfrentar o exército dos Kauravas. Arjuna adivinhou a situação e pediu que Uttar tomasse seu lugar como cocheiro enquanto ele lutava. Uttar aceitou.

Quando Arjuna tocou seu búzio, o exército Kaurava imediatamente reconheceu Arjuna. Duryodhana estava feliz por localizar os Pandavas. Mas para sua total decepção, Duryodhana logo soube que o décimo terceiro ano havia sido completado. Arjuna com as próprias mãos derrotou sozinho o exército e Duryodhana escapou do campo de batalha.

Durante a celebração da vitória Yudhishthira explicou a Virata os detalhes do décimo terceiro ano do exílio dos Pandavas sob sua proteção. Todos os Pandavas expressaram sua gratidão a Virata. Virata estava maravilhosamente feliz e aceitou em deixar sua filha Uttara casar-se com Abimanyu, o filho de Arjuna.

Subhadra e Abhimanyu foram chamados e eles vieram com Krishna e Balarama. A festa do casamento durou muitos dias, unindo os Pandavas com seus amigos e parentes.

 

Anterior | Próximo

 

O Mahabharata

© Direitos de tradução, para o Português, da SOCIEDADE DA VIDA DIVINA BRASIL
 

Categoria: Artigos de Yoga

Temos 19 visitantes e Nenhum membro online

Informações do Portal

Visitantes
819
Artigos
1368
Weblinks
27
Ver quantos acessos teve os artigos
10805565