Artigos por Autor/Categoria

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 
WSJ.comOpinionJournal

 

 

 

 

A TERRA EM BALANÇO

Não acredite no Exagero

Al Gore está errado. Não há nenhum consenso sobre o "efeito estufa".

Por RICHARD S. LINDZEN

Mr. Lindzen is the Alfred P. Sloan Professor of Atmospheric Science at MIT.

 

De acordo com o novo filme de Al Gore "Uma Verdade Inconveniente", nós estamos numa "emergência planetária": folhas de gelo estão derretendo, há aumentos enormes nos níveis do mar, estão ocorrendo mais e mais fortes furacões e há aumentos nas doenças tropicais, entre outro cataclismos - a menos que nós mudemos o modo que nós vivemos agora.

Bill Clinton se tornou o mais recente apóstolo do evangelho de Al Gore, proclamando que os atuais eventos do tempo mostram que ele e o Sr. Gore estavam certos sobre o aquecimento global, e nós todos estamos sofrendo as conseqüências da obtusidade do Presidente Bush sobre o assunto. E por que não? O Sr. Gore nos assegura que "o debate na comunidade científica terminou."

Al GoreAquela declaração que Sr. Gore fez numa entrevista com George Stephanopoulos na ABC, deveria ter sido seguida por um asterisco. O que exatamente é este debate ao qual o Sr. Gore está se referindo? Existe realmente uma comunidade científica que está debatendo todos estes assuntos e então de alguma maneira concordando em uníssono? Longe de tal coisa , nunca foi claro para mim que este "debate" na verdade estivesse em primeiro lugar (em evidência).

A mídia raramente ajuda, é claro. Quando a Newsweek caracterizou o assunto efeito estufa em 1988, reivindicou-se que todos os cientistas concordavam. Periodicamente, depois disso, revela-se que embora tenham havido dúvidas prolongadas anteriormente, agora, todos os cientistas realmente concordam.

Até mesmo o Sr. Gore modificou sua declaração na ABC, alguns minutos depois, clareando algumas coisas de forma importante. Quando Sr. Stephanopoulos confrontou Sr. Gore com o fato de que as melhores estimativas de elevação dos níveis do mar estão muito longe da catástrofe que ele sugere no filme, Sr. Gore defendeu suas posições afirmando que os cientistas não "têm qualquer modelo que lhes dê um alto nível de confiança", de uma forma ou de outra reivindicando - em sua defesa - que os cientistas não "sabem...  eles simplesmente não sabem".

Então, presumivelmente, aqueles cientistas não pertencem ao "consenso." Ainda assim sua pesquisa é forçada, independente se as evidências apóiam isto ou não, num modelo pessoal de aquecimento global - chamo isto de alarmismo estridente. Acreditar nisso requer que se ignore fatos verdadeiramente inconvenientes.

Discordar da elevação dos níveis do mar inclui: que o Ártico era morno ou mais morno em 1940; que icebergs tem sido estudados desde tempos imemoriais; que evidências indiscutíveis sugerem que o envoltório de gelo da Groenlândia está crescendo atualmente. Um provável resultado de tudo isso é um aumento na pressão do gelo fora do perímetro costeiro daquele país que é descrito tão ominosamente no filme do Sr. Gore. Na ausência de fatos contextuais, estas imagens são talvez medonhas ou alarmantes

Observações dão outro ponto de vista. Geleiras alpinas têm se retirado desde o século XIX, e estiveram avançando durante vários séculos antes disso. Desde aproximadamente 1970, muitas das geleiras deixaram de se retirar e algumas estão agora avançando novamente. E, francamente, nós não sabemos o por que disso.

 

Os outros elementos do enredo assustador do aquecimento-global defendem omissões semelhantes. A malária, reivindicada como um subproduto do aquecimento, uma vez foi comum no Michigan e na Sibéria e permanece comum na Sibéria - os mosquitos não requerem o calor tropical. Furacões, também variaram durante as várias décadas na escala gráfica de tempo; a temperatura de superfície do mar provavelmente é um fator importante. Esta temperatura varia independentemente nas décadas, na escala do gráfico de tempo. Porém, perguntas pertinentes relativas à origem da temperatura da superfície do mar e a natureza das tendências da intensidade dos furacões estão sendo discutidas calorosamente  entre os especialistas da área.

Até mesmo nessa discussão, há uma concordância geral de que nós não podemos atribuir qualquer furacão particular como sendo ocasionado pelo efeito estufa. Bem, há uma exceção, o Centro Nacional Holandês de Pesquisa Atmosférica, em Boulder, Colo., que argumenta que a causa deve ser o efeito estufa porque eles não conseguem pensar em qualquer outra coisa. Argumentos semelhantes a estes, baseado na preguiça, estão ficando bastante comuns em avaliações de clima, devido a primitividade da ciência do tempo e do clima.

Uma característica geral da explanação do Sr. Gore é freqüentemente ignorar o fato de que a terra e seu clima são dinâmicos; eles estão sempre mudando até mesmo sem qualquer interferência externa. Tratar toda a mudança como algo a temer é bastante ruim, mas fazer isso para explorar o medo é muito pior. Indiferentemente, estes artigos claramente não significam que o debate está terminado - pelo menos não nos termos da ciência atual.

Uma reivindicação mais clara de que o debate terminou é feita pelo jornalista ambiental Gregg Easterbrook. Ele afirma que a comunidade científica agora concorda que um significativo aquecimento está acontecendo e que há evidência clara de influências humanas no sistema climático. Esta ainda é uma reivindicação peculiar.

Ao mesmo tempo, nunca foi amplamente contestada. A maioria da comunidade de estudiosos do clima concorda que desde 1988 que a temperatura média global têm aumentado na ordem de um grau Fahrenheit durante o último século, tendo subido significativamente aproximadamente de 1919 a 1940, diminuído entre 1940 e o início dos anos setenta, aumentado novamente até os anos noventa e permanecendo essencialmente inalterado desde 1998.

Também há uma pequena discordância de que os níveis de gás carbônico da atmosfera têm subido de aproximadamente 280 partes por milhão de volume no século XIX para aproximadamente 387 partes por milhão de volume nos dias atuais

Finalmente, não tem sido questionado que o gás carbônico é um absorvedor de raios infravermelho (i.e., um gás de estufa - embora secundário), e seu aumento deve teoricamente contribuir para o aumento de temperatura. Realmente, se tudo for mantido igual, o aumento no gás carbônico deveria conduzir a um aquecimento maior do que o que é observado, assumindo que o pequeno aumento observado foi na realidade devido ao gás carbônico crescente em vez de uma flutuação natural no sistema climático. Embora nenhuma causa de alarme nos reste sobre esse assunto, houve um intenso esforço para reivindicar que a contribuição teoricamente esperada do gás carbônico adicional foi descoberta de fato.

Dado que nós não entendemos a variabilidade interna natural das mudanças climáticas, esta discussão é atualmente impossível. Não obstante tem havido um esforço persistente para sugerir o contrário, e com impacto surpreendente. Assim, embora o estado conflituoso do caso tenha sido apresentado com precisão em 1996, no texto do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática, o "resumo infame para políticos" informa ambiguamente que "o equilíbrio de evidências sugestiona uma influência humana discernível em clima global." Isto bastou como arma de fumaça para Kyoto.

O próximo relatório IPCC novamente descreve os problemas que cercam o que tem sido conhecido como o assunto da atribuição: quer dizer, explicar quais mecanismos são responsáveis pelas mudanças observadas no clima. Alguns repetem o argumento da preguiça - por exemplo, nós não podemos pensar em uma outra alternativa a não ser a interferência humana. Mas o "resumo infame para políticos" aclamado de uma maneira ampla, não relata isso no texto atual do relatório, mas afirma que "sob a luz das novas evidências e levando em conta as incertezas restantes, a maior parte do aquecimento observado nos últimos 50 anos provavelmente terá sido devido ao aumento das concentrações do gás do efeito estufa.

Em uma veia semelhante, a Academia Nacional de Ciências emitiu um relatório resumido (de 15 páginas) que responde a perguntas da Casa Branca. Novamente enumerou as dificuldades acerca da atribuição, mas o relatório novamente e ambiguamente reivindicou que "as mudanças observadas durante as últimas décadas são devidas, principalmente e provavelmente, às atividades humanas, mas nós não podemos esquecer que alguma parte significante destas mudanças é também um reflexo de uma variabilidade natural." Isto foi suficiente para que Michelle Mitchell da CNN declarasse que o relatório representou uma "unânime decisão de que efeito estufa é real, está ficando pior e é causado pelo homem. Não há nenhuma dúvida do contrário." Bem, nem tanto.

 Mais recentemente, um estudo publicado no Science pela cientista social Nancy Oreskes afirmou que uma procura no Banco de dados de Conhecimento do ISI Web entre os anos 1993 e 2003 para as palavras chaves "mudança de clima global" produziu 928 artigos, todos com resumos que apoiavam o que ela chamou de "visão consensual". O cientista social britânico Benny Peiser conferiu o procedimento dela e constatou que somente 913 dos 928 artigos tinham resumos, e que somente 13 deles endossavam explicitamente a chamada visão consensual. Vários de fato se opunham a isto.

Até mesmo mais recentemente, o Programa Científico de Mudanças Climáticas, a agência coordenadora da administração Bush para pesquisa sobre o aquecimento global, declarou não ter achado evidências claras "de influências humanas no sistema climático." Isto, para o Sr. Easterbrook, significou: "Caso encerrado." O que era exatamente esta evidência? Os modelos insinuam que o efeito estufa deveria causar um impacto nas temperaturas atmosféricas maior do que nas temperaturas da superfície e dados de satélite ainda não mostraram nenhum aquecimento na atmosfera desde 1979. O relatório mostrou que correções seletivas nas medições dos dados atmosféricos pôde conduzir a algum aquecimento, levando a uma redução no conflito entre observações e descrições de modelos do efeito estufa. Então, para mim, significa que o caso ainda está muito aberto.

 

Assim o que, então, fazer acerca deste debate? Eu sugeriria pelo menos três pontos:

Primeiro, leigos geralmente não querem se aborrecer entendendo a ciência. Reivindicações de consensos de posicionamentos, aliviam defensores ambientais e políticos de qualquer necessidade de fazer isso. Tais reivindicações também servem para intimidar o público e até mesmo os cientistas - especialmente os que estão fora da área de dinâmicas climáticas.

Secundariamente, dado que a questão de atribuição humana não pode ser em grande parte resolvido, seu uso em promover visões de desastre não constitui nada mais do que uma fraude do tipo daquelas em que se dá uma pequena isca de baixo preço para terminar vendendo artigos mais caros. É esse o desfavorável começo que Sr. Gore faz, afirmando que isso não é um assunto político mas uma cruzada "moral".

E por último, há uma tentativa clara de não estabelecer a verdade através de métodos científicos, mas através de uma perpétua repetição. Uma tentativa recente disso resultou em tragédia. Talvez Marx tivesse razão. Nos nossos tempos nós podemos ter farsa - se tivermos sorte.

Categoria: Paz e Ecologia

Temos 74 visitantes e Nenhum membro online

Informações do Portal

Visitantes
819
Artigos
1368
Weblinks
27
Ver quantos acessos teve os artigos
9890631