Artigos por Autor/Categoria

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

  Vigilância: O que o Influenza está Tramando?
 

Nossa primeira defesa contra um novo tipo de gripe é a capacidade de prevê-la. Três agências internacionais coordenam o esforço global para rastrear o H5N1 e outras variantes do vírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS), que possui 110 centros de influenza em 83 países, monitora os casos em seres humanos. A Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) e a Organização de Alimentação e Agricultura (FAO) recolhem registros de epidemias em pássaros e outros animais. Mas até mesmo os administradores dessas redes de vigilância admitem que elas ainda são lentas demais e têm muitos furos.

A rapidez é essencial quando se trata de um vírus que vive no ar e tem ação rápida como o da influenza. É provável que as autoridades não tenham a menor chance de barrar o avanço de uma pandemia nascente se não conseguirem contê-la em 30 dias. O ponteiro começa a avançar no momento em que a primeira vítima de uma cepa com potencial de provocar uma epidemia tornar-se contagiosa.

A única maneira de detectar esse aparecimento a tempo é monitorar a disseminação de cada surto e a evolução das habilidades do vírus. A OMS analisa esses dois fatores para determinar em que fase do ciclo pandêmico o mundo está. Segundo diretrizes lançadas em abril, são seis fases no total.

As epidemias da influenza humana H5N1 registradas até agora elevaram o nível de alerta para a fase três. A pandemia seria declarada na fase seis. Os virologistas tentam obter amostras de cada novo paciente contaminado com a H5N1 para procurar indícios de que o vírus aviário esteja se adaptando para infectar humanos de forma mais eficaz. O vírus evolui de duas maneiras: gradativamente, por mutações aleatórias, e de modo mais rápido, quando cepas diferentes do influenza trocam genes dentro de um animal ou de uma pessoa.

Os Estados Unidos possuem um sofisticado sistema de vigilância da gripe, que canaliza informações sobre hospitalizações por doenças semelhantes, mortes por males respiratórios e cepas de influenza observadas em laboratórios de saúde pública para os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), em Atlanta. "O sistema, contudo, não é rápido o suficiente para tomar as medidas de isolamento ou quarentena necessárias para lidar com a gripe aviária", disse Julie L. Berbeding, diretora do CDC, em fevereiro. "Por isso estamos ampliando nossa rede de médicos e veterinários."

Algumas dezenas de pessoas que viajaram de países asiáticos afetados pelo H5N1 para os EUA já apresentaram sintomas graves de gripe. Amostras colhidas desses pacientes foram rapidamente levadas para o CDC, diz Alexander Klimov, do setor de influenza da entidade. "Dentro de 40 horas de hospitalização somos capazes de dizer se o paciente está com o H5N1. Nas seis horas seguintes conseguimos analisar a seqüência genética do gene da hemaglutinina para avaliar o grau de contágio da variante. (O vírus usa a hemaglutinina para entrar nas células.) Um exame que leva dois dias revela a resistência da cepa às drogas antivirais", afirma.

A próxima pandemia pode começar em qualquer lugar do mundo, mas especialistas acreditam ser mais provável que ela surja na Ásia, como a maioria das epidemias anuais rotineiras de influenza. Aves aquáticas como patos e gansos são os hospedeiros naturais da influenza, e na Ásia as pessoas convivem com esses animais. A vigilância na região ainda é falha, apesar da assistência (vagarosa) da OMS, do CDC e de outros órgãos.

Um surto recente de H5N1 na Indonésia ilustra bem tanto os problemas quanto os avanços na questão. Em um subúrbio relativamente rico de Jacarta, uma menina de 8 anos, filha de um auditor do governo, adoeceu no final de junho. Um médico deu-lhe antibióticos, mas a febre aumentou, e ela foi internada no dia 28 de junho. Uma semana depois, seu pai e sua irmã de 1 ano também foram hospitalizados com febre e tosse. A criança mais nova morreu no dia 9 de julho, e o pai, três dias depois.

No dia seguinte, um médico atento alertou as autoridades da área de saúde e enviou amostras de sangue e tecido a uma unidade de pesquisa médica da Marinha dos EUA em Jacarta. Em 14 de julho, a menina morreu; um relatório interno mostra que nesse mesmo dia técnicos indonésios do laboratório da Marinha determinaram que dois dos três integrantes da família estavam com a influenza H5N1. O governo, no entanto, só reconheceu esse fato em 22 de julho, depois de um laboratório da OMS em Hong Kong ter isolado definitivamente o vírus.

O departamento de saúde preparou então alas de hospitais para receber mais pacientes. I Nyoman Kandun, chefe do controle de doenças para a Indonésia, pediu às equipes da OMS que ajudassem a investigar o surto. Se aquele fosse o início de uma pandemia, a janela de contenção de 30 dias já teria se fechado. Kandun suspendeu a investigação depois de duas semanas. "Não conseguimos encontrar pistas sobre onde essas pessoas se infectaram", diz ele.

Os costumes locais impediram que fossem feitas autópsias nas três vítimas. Klaus Stöhr, do Programa Global de Influenza da OMS, já reclamou que a quase inexistência de autópsias nas vítimas humanas da H5N1 deixa muitas perguntas sem resposta. Quais órgãos a H5N1 infecta? Quais sofrem os maiores danos? Como o sistema imunológico reage à infecção?

Os virologistas também se preocupam com o fato de terem pouca informação sobre o papel de pássaros migratórios na transmissão da doença. Em julho, aves domésticas infectadas com a H5N1 apareceram na Sibéria, no Cazaquistão e na Rússia. A maneira pela qual os animais pegaram a doença ainda é um mistério.

Frustrados com tantas dúvidas não respondidas, Stöhr e outros cientistas pediram a criação de uma força-tarefa global que supervisione os preparativos para a pandemia. A OMSA fez um apelo em agosto por mais verbas para financiar os programas de vigilância que está estabelecendo em conjunto com a FAO e com a OMS.

"É evidente que precisamos aperfeiçoar nossa capacidade de detectar o vírus", diz Bruce G. Gellin, que coordena o planejamento dos EUA para a pandemia, como chefe do Programa Nacional de Vacinação do Departamento de Saúde americano. "Temos de investir nesses países para ajudá-los, porque isso ajudará a todos."

 

Categoria: Saúde e Medicina

Ítens Relacionados

Temos 44 visitantes e Nenhum membro online

Informações do Portal

Visitantes
819
Artigos
1368
Weblinks
27
Ver quantos acessos teve os artigos
11407172