Inscrições em Fortaleza

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

Por Cláudio Azevedo

Extraído de Azevedo, Cláudio; A Caminho no Ser: Uma Visão Transpessoal

da Psicologia no Yoga S?tra de Pat?ñjal?, Editora Órion, Fortaleza, 2.007

Para melhor visualização faça o download das fontes usadas no site: tahoma, tahoma bold, sanskrit98, sanskrit2003

“Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço?”  Rom 7:19

Se o mundo é, fundamentalmente, um mundo de possibilidades quânticas infinitas, porque sigo repetindo as mesmas escolhas e tendo a falsa convicção de que não tenho o poder de mudar a minha vida? Apesar de existirem infinitas possibilidades de escolha, seguimos repetindo padrões de comportamento e de escolha, construídos ao longo de nossas vidas. Formamos um holograma mental que nos condiciona a padrões fixos, a partir daquilo que está registrado em nossas memórias conscientes e, principalmente, subconscientes.

A Caminho no Ser

À medida que progredimos no tempo, mais quantidade de informação sai da memória consciente (nos esquecemos) e vai à memória subconsciente, e é a soma de todas essas impressões que cria os condicionamentos de nossa personalidade: aquilo que dizemos que ‘sou eu’ (aha?k?ra). Aha?k?ra é o nosso senso de individualidade que reivindica para si tudo o que a mente capta, armazenando-o como memória pessoal: é o nosso passado atuando no presente e projetando um futuro.

 

Personalidade (persona)
  Caráter

Temperamento (gu?as)

Memórias (sm?tis)

Apático (tamas)

Condicionamentos (sa?sk?ras)

Ativo (rajas)

Pensamentos (v?ttis)

Equilibrado (sattva)

 

Aha?k?ra é regido por nosso caráter (nossa memória celular, nosso subconsciente e nosso inconsciente com seus pensamentos e vícios) e por nosso temperamento. O Ved?nta dar?ana discursa sobre as diferentes camadas, ou bainhas, que ‘recobrem’ a nossa essência interna e compõem nosso caráter. Conhecidos como ko?as, esses envoltórios são em número de cinco, cada qual com uma constituição vibratória mais sutil que o outro. Está em nosso consciente, subconsciente e inconsciente a fonte ininterrupta de todos os nossos pensamentos.

Nosso temperamento é regido pela qualidade fundamental da matéria (gu?a) que está predominando em nossa constituição. Se a predominância for de tamas, aha?k?ra estará satisfeito com sua própria ignorância. Nada buscará e tenderá à inércia. Se a predominância for de rajas, aha?k?ra estará mergulhado na própria e incessante busca pela satisfação dos desejos, satisfeito com seus momentos de êxito: estará auto-identificado com suas tendências (mergulhado nos ‘pecados capitais’). Somente quando passar a predominar sattva é que aha?k?ra despertará para questionar e buscar as causas de sua infelicidade e, fazendo um bom uso de rajas, redirecionará o seu desejo para o alvo correto, aspirando ao Infinito.

 

Envoltórios

Relacionado com...

Annamaya? ko?a

a mente consciente e o corpo físico

Pr??amaya? ko?a

elo entre o consciente e o subconsciente

Manomaya? ko?a

a mente subconsciente e o corpo sutil

Vijñ?namaya?ko?a

elo entre o subconsciente e o inconsciente

?nandamaya? ko?a

a mente inconsciente e o corpo causal

 

“As vidas dos homens, em sua maioria, não sendo controladas pela sabedoria que possibilita a autodeterminação, mas por fortes hábitos e tendências de vidas passadas [sa?sk?ras em sânscrito], são como bolas arremessadas ao comando do jogador, a lei de causa e efeito, ou carma. ... Os hábitos já formados... dirigem suas vítimas humanas para linhas de ação já marcadas e prefixadas... empurram as almas, quer queiram, quer não, para canais de comportamento predeterminados e predizíveis” .

Paramahansa Yogananda

Yogananda, Paramahansa; Interpretação Espiritual de “O Vinho do Místico” de Omar Khaya?,

 Summus Editorial, Los Angeles, 1.974, página 151.

 

“O sa?sk?raé o próprio pensamento. Com esforço, é preciso purificá-lo. Aquilo que o homem pensa, é aquilo em que ele se transforma. Este é o eterno mistério”.

Maitri Upani?ad(VI: 34)

Kupfer, Pedro; Visões do Yoga, Editora Dharma,

2ª Edição, Florianópolis, abril de 2.000, página 45.

O caminho espiritual se inicia quando se começa a construção de uma personalidade (persona) de ação voltada para a harmonia, para que se torne apta a experimentar o divino, e essa construção implica numa mudança do caráter e num refino do temperamento, ressignificando memórias e pensamentos e mudando todos os vícios e condicionamentos, para, no fim, extingui-los a todos.

Mudar um hábito e romper um ciclo vicioso implica reaprender a viver e criar um novo e mais saudável hábito. O primeiro passo para isso é nos darmos conta, pela observação, de nossos vícios emocionais e mentais. Somente nos afastando do ‘eu’ para a posição do Observador, é que seremos capazes de reconhecer nossos hábitos. Só podemos mudar aquilo de que temos consciência. E o Yoga é o caminho da própria percepção (j?grat) SS III:8, partindo da mente consciente em direção ao subconsciente, e desse em direção à mente superconsciente e mais além, tornando todos esses aspectos conscientes.

A mente humana (citta) é mais do que nosso ego autoconsciente racional (aha?k?ra) e inclui a mente instintiva (manas) e o intelecto superior ou intuição (buddhi). Manas, enquanto instinto, funciona automaticamente através dos pensamentos, mas esse funcionamento geralmente é guiado pela razão e pela intuição, e influenciado pelo temperamento. Instinto, razão e intuição são instrumentos de conhecimento e o que um não compreende, o subseqüente o engloba, completa e explica.

Citta é a ponte através da qual o ‘Eu Supremo’ (?tman) percebe os objetos manifestados. No Ved?nta dar?ana, esse complexo mental é conhecido como anta?kara?a e possui um amplo espectro de abrangência:

 

O Complexo Mental (citta ou anta?kara?a)

Mente consciente

Sth?la citta

J?grat citta (estado mental de vigília e percepção)

Sm?ti (memória individual consciente)

Mente subconsciente

S?k?ma citta

aspecto mental subliminar

Svapna citta (estado de sonho)

Sa?sk?ra citta (tendências mentais impressas)

V?san? (força profunda do desejo)

Sm?ti (memória individual subconsciente)

Mente inconsciente

S?k?ma citta

aspecto mental inconsciente

Manas citta (estado mental instintivo)

Su?upt?? ou Nidr? citta (estado de sono profundo)

Karm??aya? (a memória individual mais profunda)

Buddhi citta (estado mental intuitivo)

Anuk?ra?a citta (sub-superconsciência)

Mente superconsciente

??nti citta

K?ra?a citta ou turiya (superconsciência causal)

Kaivalya ou ?iv?nanda (pura consciência)


Anta?kara?a (ou citta) também é o instrumento interno através do qual a Consciência (?tman) age e é o veículo que distingue o ser humano dos outros reinos (animal, vegetal e mineral). Por exemplo, um animal nunca ponderará na escolha de sua alimentação (se carnívora ou vegetariana), pois esses reinos operam somente no nível instintivo (manas) da mente. Não existe algo como intuição, pensamento discriminativo ou noção de infinito. Embora exista a Consciência (?tman), anta?kara?a não está totalmente desperto, mas dormente e inativo (‘tamásico’).

“A vida está adormecida na terra bruta, sonha com a beleza nas flores, desperta poderosa nos animais e no homem tem a consciência de possibilidades infinitas” 1:50.

Paramahansa Yogananda

No ser humano, citta está ativo (rajásico), dando-lhe a capacidade de interpretar, classificar, perceber e entender fatos passados e presentes conjecturando possibilidades futuras. Todos os contatos com objetos externos, através dos sentidos, ficam armazenados em citta, mas não se limita a isso, pois todo o conhecimento do Universo também está registrado nele. Citta age como um fino transmissor, transmitindo e recebendo impressões, e a precisão e a clareza dessa transmissão depende inteiramente do desenvolvimento desse instrumento interno.

Em citta está a decisão de nossas ações, de acordo com nossas experiências e conhecimento, e o registro de todas as nossas impressões, mesmo as inconscientes. Mas a sua memória mais profunda nunca estará disponível à percepção consciente, a menos que a claridade da Consciência Cósmica e o olho e ouvidos internos sejam conquistados. É citta a ferramenta através da qual a Consciência (?tman) está jogando o jogo Cósmico (l?l?).

Embora a Consciência seja a mesma em todas as coisas manifestadas, Sua expressão depende da precisão e clareza desse instrumento (anta?kara?a) que faz a ponte entre Ela e mundo manifesto. É por isso que embora o mesmo pensamento, sentimento e ação possam ocorrer em diferentes personas, suas interpretações e crenças dependerão inteiramente do nível mental (manas), intuitivo (buddhi) e egóico (aha?k?ra) de cada um.

Somente quando citta estiver funcionando com sua capacidade plena, de uma forma harmoniosa (‘sáttvica’), totalmente perceptiva (ou consciente) e unificada, é que o ser humano poderá controlar as criações inferiores de sua natureza e as forças latentes presentes em si. Seu refino implica na sua sintonização com as altas freqüências da Consciência (?tman), através do poder do Silêncio.

Mas essa sintonia só ocorre após percebermos o ‘Eu Supremo’, ou Consciência, e alcançarmos um estado de cessação consciente de todas as modificações em citta. Esse estado é conhecido como Yoga e Pat?ñjal?, em seu Yoga s?tra, traça um caminho para esse refino do nível de funcionamento de citta. Existem cinco formas básicas de atividade mental e o objetivo é alcançar aquele último:

  • K?ipta ou disperso, o nível mais intenso de atividade, onde sensações, sentimentos, emoções e pensamentos fluem conectados em rápida sucessão;
  • M?dha ou entorpecido, onde a mente está profundamente inerte sem qualquer inclinação para observar, perceber e reagir, devido ao excesso de alimentos, ingestão de drogas ou fortes reações emocionais;
  • Vik?ipta ou oscilante, onde o fluxo mental é caótico e desordenado, frente a dúvidas, inseguranças e incertezas;
  • Ek?grat? ou unidirecionado, onde a mente está absolutamente focada e as distrações são completamente descartadas; e
  • Nirodha ou suprimido, onde a mente está totalmente envolvida e fundida, como uma coisa única, com um objeto.

Embora se gaste muito tempo na descrição da mente e nas maneiras de aquietá-la, para que se possa contemplar o ‘Eu Supremo’, o desenvolvimento do corpo físico, templo da alma, deve se dar simultaneamente com o desenvolvimento da mente, do intelecto e da intuição.

 

BIBLIOGRAFIA

  • As referências bibliográficas acham-se assim indicadas: xx:yy, onde ‘xx’ é o número da referência contido na BIBLIOGRAFIA (no final do livro) e ‘yy’ é a página onde se encontra.

  • Quando precedendo ‘xx’ estiver escrito YS, a obra referenciada é o Yoga S?tra de Pat?ñjal?, BG quando for Bhagavad G?t?, VC quando for o Viveka Ch?d?mani, TB quando for o Tattvabodha? e SS quando a obra referenciada for o ?iva S?tra (obra de referência no ?ivaísmo de Cachemira). Nesses casos ‘xx’ é o capítulo e ‘yy’ é o s?tra.

  1. Hariharananda, Paramahansa; Kriya Yoga; Lótus do Saber, Rio de Janeiro, 2.006;


 

Categoria: A Caminho no Ser