Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

 

Doutor em Antropologia,

Professor da Universidade Estadual do Ceará – UECE,

 vinculado ao Mestrado em Políticas Públicas e Sociedade

 e ao Mestrado em Saúde Pública.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. '; document.write(''); document.write(addy_text53665); document.write('<\/a>'); //-->\n O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  

 

Artigo publicado no caderno Ciência & Saúde, Jornal O Povo, em 29/07/2007

 

A integração crescente de povos e estados em uma única comunidade global é realidade incontestável. A rapidez dos transportes, a interatividade das comunicações, a troca internacional de mercadorias, o fluxo financeiro digital, os intercâmbios culturais e educacionais são exemplos da integração global na vida de milhões de pessoas. 

Ao mesmo tempo, a globalização multiplica intensamente as transformações do meio ambiente, ao fazer uso cada vez maior de fontes naturais. Isto ocorre desde o consumo de combustíveis fósseis em larga escala, passando pela poluição industrial nas cidades, até a degradação de importantes ecossistemas e da camada de ozônio. Um dado extremamente significativo, fornecido pelo Fundo Mundial para a Natureza, afirma que a humanidade já consome 25% de recursos a mais do que o planeta pode efetivamente repor.

Em se tratando da vida social e da cultura, Stuart Hall salienta que, em um mercado global de estilos comportamentais, imagens e lugares, viagens e comunicação instantânea, as identidades se mostram desenraizadas de espaços, tempo e tradições locais.  Tais configurações passam a “flutuar livremente” no universo globalizado.

Fenômeno similar ocorre no campo da saúde. Este igualmente participa da integração crescente, de modo que persiste uma saúde global contendo  fatores que igualmente “flutuariam”, guardando relação de interdependência estreita. A disseminação do vírus HIV, a gripe aviária e a febre aftosa no gado bovino constituem exemplos destes fatores flutuantes na saúde pública mundializada. Outros elementos são: superpopulação, urbanização, poluição, desmatamento, produção limitada de alimentos e pobreza. Este último fator é crucial na saúde global, uma vez que a pobreza extrema facilita uma série de enfermidades e condições adversas, causando sofrimento e morte a milhares de pessoas.

Questões como comércio internacional, pobreza, mudanças climáticas e pandemias como a AIDS não podem se limitar hoje à esfera dos interesses nacionais, afirma o filósofo Peter Singer. Elas ultrapassam fronteiras nacionais e regionais por meio de conexões cada vez mais amplas. Assim, diante de uma comunidade globalizada, urge se tomar um posicionamento ético em face da globalização, uma vez que ela tem levado os benefícios da modernidade de modo desigual para o conjunto de seus parceiros. No caso da atmosfera, o arguto filósofo chama atenção para a injusta condição em que poucos países (EUA, Canadá, China, Rússia, entre outros) produzem sozinhos impactos ambientais (dióxido de carbono no ar) que afetam negativamente a totalidade dos países, entre os quais uma grande parte que não tem como enfrentar tais  efeitos. Isto tem relação direta com a saúde de grandes populações, com os recursos econômicos para conservá-la, com a mobilização de agentes humanos e tecnológicos para fazer frente a tal desafio. Singer alerta para as diversas implicações éticas e políticas que o mundo globalizado faz emergir. Tais condições dizem respeito à defesa de critérios universalmente válidos, legítimos e pactuados entre paises e governos. Ele destaca o princípio da “distribuição eqüitativa” segundo o qual a riqueza global pode ser melhor dividida, tanto quanto as responsabilidades envolvidas, através de medidas compensatórias consensuais.      

            A internacionalização dos agravos ambientais articulada às questões de saúde pública tem provocado uma consciência crítica a respeito destas dinâmicas e estimulado formas de oposição construtiva. As frentes de luta por uma humanidade saudável progridem em diversas direções: combate ao desmatamento, incentivo à agricultura orgânica, aplicação da legislação ambiental, controle da poluição urbana, elaboração de programas educacionais, desenvolvimento de alternativas energéticas e definição de protocolos de conservação. 

            Tais ações articulam governos, entidades civis e cidadãos devendo seguir uma orientação ética fundamental: defesa da vida, qualidade da saúde humana e respeito à mãe natureza.

João Tadeu de Andrade

Categoria: João Tadeu

Temos 81 visitantes e Nenhum membro online

Informações do Portal

Visitantes
819
Artigos
1368
Weblinks
27
Ver quantos acessos teve os artigos
9979869