Escola Esotérica

A Teia de Indra

 

         A publicação de A Doutrina Secreta um século atrás foi chamada de O Renascimento da Tradição Oculta. Mas temos tomado contato com ela com os mesmos instrumentais de compreensão que herdamos dos dois últimos séculos? Se tal for, é esta a maneira certa ou existe alguma outra aproximação que seja a maneira mais adequada à natureza da Tradição Oculta?

         Vejamos por momentos aquela maneira herdada de buscar conhecimento e compreensão, maneira que é altamente influenciada por métodos científicos. É o modo de análise e síntese, uma atividade da mente, dividindo aquilo que está defronte a nós em pedaços de tamanho apreciável, de preferência pedaços reconhecíveis. A partir deles compomos um quadro, que para nós representa a realidade daquilo que estamos olhando. E ao compor este quadro quase sempre seguimos padrões e leis que já estão em nossas mentes, variando ou as extrapolando.

         Assim, essa é a maneira que temos nos aproximado da natureza e da vida durante pelo menos os últimos cem anos. É o modo de investigação e estudo, científicos. Apesar do homem comum não aplicar estritamente esses métodos, mesmo assim dominam sua maneira de tentar compreender e aprender. Podemos notar que a maneira científica implica que a atenção esteja focalizada naquilo que pode ser percebido pelos cinco sentidos, quase sempre dando peso mais em um que em outro. Mas não apenas isto. A maneira científica também implica em estarmos levando em conta apenas àquilo que pode ser medido e pesado, aquilo que pode ser tratado de maneira ‘exata’, quase sempre pela ajuda da Matemática.

Leia mais...

Escola Esotérica

O Ponto 'de Virada' na Crisntandade

(por Brant Jackson)·

The Quest (set-out de 2002 p.175)

Tradução- Maria Beth Oliveira 

            No ano de 313 aD., o Imperador Constantino necessitava de uma nova religião estatal para prover ao seu novo império unido, com unidade religiosa e estabilidade, pois o antigo foi, de modo geral, desacreditado durante as lutas pela sucessão imperial. Constantino escolheu uma versão do Cristianismo (chamada “Católico,” significando “universal”) entre as muitas seitas cristãs competidoras, para revitalizar e trazer estabilidade ao império, e fez uma proclamação (o “Edito de Milão”) que prometia tolerância. Para os bispos católicos, que estavam sendo perseguidos até ao recente 311 aD., o favor do imperador foi um milagre de Deus. Eles tinham agora poder político assim como religioso, e descobriram cedo que havia um preço a pagar pelo privilégio.

            Considerem-se as imensas mudanças necessárias para ir de uma igreja composta de congregações pequenas, homogêneas, para uma igreja que suprisse as necessidades de todo o império Romano, uma coleção de pessoas e religiões sem precedentes, em tamanho e diversidade. Mais ainda, a cristandade inicial não tinha uma única posição “ortodoxa” ou oficial antes de 325 aD., quando Constantino reuniu o Concílio de Nicéa para acertar alguns pontos em disputa sobre fé. O principal deles era se Cristo era de fato Deus ou era mais que humano e menos que divino.

Leia mais...

Escola Esotérica

O Ministério de Jesus

O DESPERTAR DA LUZ INTERIOR:

Entendendo a natureza transformadora do ministério de Jesus

Raul Branco[1]

Esse artigo faz parte da área interna do Portal Órion
Cadastre-se para ter acesso amplo à área interna

Podemos perceber um fato novo no seio da família cristã. O fiel que anteriormente parecia satisfeito com suas práticas devocionais tradicionais, agora está buscando o caminho espiritual. O que preocupa as autoridades eclesiásticas, no entanto, é que essa busca está levando um grande número de fiéis para outras tradições, principalmente as orientais.

Ainda que o protestante geralmente conheça intimamente seu livro sagrado, a Bíblia, o mesmo não ocorre com seu irmão católico. Ambos, porém, geralmente desconhecem que a Escritura tem três níveis possíveis de entendimento. A Bíblia, tal como o ser humano, é constituída de corpo, alma e espírito. O “corpo” é o seu significado literal, que não deixa de ser útil a algumas pessoas. A alma são as lições morais a serem derivadas do texto. O espírito está escondido na alegoria, e traz geralmente lições bem diferentes das percebidas no sentido literal.

Como as chaves da interpretação da Bíblia, que permitem desvelar o espírito da Escritura, não estavam até recentemente ao alcance do grande público[2], o véu da simbologia e os aparentes absurdos de certas passagens do texto bíblico faziam com que muitas pessoas simplesmente desistissem de tentar entender a verdadeira natureza dos profundos ensinamentos que ali se encontram. Este artigo é uma tentativa de apresentar a natureza transformadora do ministério de Jesus. O primeiro passo para isso é entender o ponto central de toda Sua pregação, o objetivo de todo o aprendizado humano no mundo, o Reino.

Leia mais...

Escola Esotérica

O Caminho do Discipulado

Uma Carta a um caro irmão,

Esse artigo faz parte da área interna do Portal Órion
Cadastre-se para ter acesso amplo à área interna

O Caminho Interior, a questão do discipulado, está presente em todas as tradições: Buda e seus discípulos, Pitágoras e seus matemáticos, Jesus e seus apóstolos, Maomé e seus seguidores, Moisés e os chefes das tribos, etc.. Nas ordens monásticas da Igreja Católica, o fundador e seus seguidores também são exemplos de relação Mestre/discípulo.

Tenho a impressão de que, embora os Adeptos K. H. e M. não mais tenham se manifestado ostensivamente, outros Adeptos ainda o fizeram após eles. Posso aqui citar, a título de exemplo, Mestre D. K. com Alice A. Bailey, o Guia com Eva Pierrakos (1.915-1.979), Sua Voz com Pietro Ubaldi (1.886-1.972) e Babaji com Paramahansa Yogananda (1.893-1.952). Os ensinamentos de Bailey, de Eva, de Ubaldi e de Yogananda têm perfeita concordância com os ensinamentos de Blavatsky (1.831-1.891). Acredito que os Adeptos mantém contato contínuo, com formas diferentes de abordagem, para divulgar a Verdade, a Vida e o Caminho (Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida), mas a forma escrita (não psicografada nem canalizada) desse contato, ao menos até agora, parece ter ocorrido apenas na ST.

Leia mais...

Escola Esotérica

Todas as mensagens dos Mestres vêm da Mesma Fonte?

Raul Branco[1]

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Esse artigo faz parte da área interna do Portal Órion
Cadastre-se para ter acesso amplo à área interna

Conheço várias pessoas adoráveis, sinceramente engajadas na busca espiritual. Algumas participam de vários grupos de estudo, cura e meditação, e dedicam de uma a duas horas por dia a seus ‘decretos’ e práticas espirituais ditadas pelos “Mestres Ascensos.” Tocado pela dedicação e candor dessas pessoas, comecei a pesquisar a respeito dessas doutrinas e práticas que, obviamente, parecem estar fazendo bem a elas. Com todo o respeito e carinho, gostaria de oferecer as observações e considerações a seguir a essas pessoas queridas e a milhares de outros irmãos devotos dos Mestres. Procurei enfocar a questão de forma objetiva, apresentando considerações e sugestões que poderiam ser investigadas por esses sinceros buscadores da verdade.

Leia mais...

Escola Esotérica