Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

A pesquisa dos estados de consciência só foi possível após Hans Berger (1.873-1.941), psiquiatra e cientista alemão, descobrir, em 1.920, as ondas cerebrais e sua relação com o estado de consciência. Ele mostrou que o cérebro emite leves impulsos elétricos na escala dos microvolts, que podem ser medidos na superfície do couro cabeludo e, ampliados, podem ser registrados.

 

O termo biofeedback foi definido por Blanchard & Epstain, em 1.978, como um processo em que se aprende a influenciar, confiavelmente, respostas fisiológicas que normalmente estão sob controle voluntário e respostas que, em geral, eram reguladas automaticamente pelo organismo, mas que se tornou impossível devido a trauma ou doença. Resumidamente, podemos dizer que o termo biofeedback corresponde a técnicas de tratamento nas quais pessoas são treinadas a melhorar sua capacidade de auto-regulação utilizando os sinais de seu próprio corpo.

Para isso se usam instrumentos como o eletromiograma de superfície (s-EMG), o eletrocardiograma, o eletroencefalograma, o galvanômetro e o termômetro, que, conectados a um computador central que processa suas informações, mostram à pessoa, na forma de gráficos, sons e cores, a resposta autonômica a diferentes estímulos. Na realidade o equipamento detecta a resposta autonômica e a mostra, de forma ampliada, num monitor ou caixa de som, dando um retorno à pessoa que está conectada nele.

A atividade dos músculos é medida através de eletromiografia de superfície (s-EMG), que detecta atividade elétrica ocorrendo em determinado músculo. Altos níveis de atividade muscular indicam uma situação de estresse. Para medir estes sinais em µV (microvolts) a pele deve ser limpa para permitir um melhor contato elétrico. Sensores são colocados sobre a pele com um pouco de gel condutor para melhorar as leituras. Estes sinais são processados pelo aparelho e mostrados de forma gráfica ou sonora.

A freqüência cardíaca é medida em batimentos por minuto. Batimentos muito rápidos muitas vezes são associados ao estresse assim como batimentos muito lentos podem ser associados à depressão. Para medir os batimentos cardíacos, podem-se usar sensores nas pontas dos dedos ou na parte interna dos pulsos. Já a respiração, que é medida em respirações por minuto, pode se tornar mais rápida, mais lenta ou irregular indicando diferentes níveis de estresse.

As ondas cerebrais são medidas pelo eletroencefalograma (EEG). As ondas cerebrais, como visto anteriormente, são divididas em teta (4 a 7 Hz), alfa (8 a 13 Hz) e beta (14 a 24 Hz). Quando o paciente, através do neurobiofeedback, se torna familiarizado com o que cada onda representa e como ela é mostrada, ele pode ser treinado e incentivado a atingir determinados objetivos aprendendo a aumentar ou a reduzir a atividade de determinadas ondas.

A quantidade de sangue que chega até a extremidade dos dedos é determinada pela contração ou relaxamento de músculos em torno de vasos sangüíneos. Quando estes músculos estão contraídos, o que ocorre nos estados de estresse, a temperatura dos dedos diminui porque menos sangue os alcança. Além disso, existem estudos que relacionam as diferenças das temperaturas obtidas do lado direito e do lado esquerdo do corpo com a atividade cerebral do paciente.

No biofeedback eletrodérmico, também conhecido como GSR (Galvanic Skin Response), são medidas as variações na condução de eletricidade sobre a superfície da pele, determinada pela quantidade de suor presente. Quando se alteram os estados emocionais e mentais, o organismo muitas vezes reage gerando um aumento da atividade das glândulas sudoríparas, fato que altera a resistência da pele. Essa resistência da pele, medida através de sensores colocados nos dedos do paciente, é uma forma de acessar objetivamente o nível psicofisiológico, pois é, de certa forma, independente de outras medidas como a eletromiografia ou a temperatura da pele.

Enquanto os iogues influenciam o funcionamento de seus órgãos internos através de exercícios respiratórios, posturas corporais e auto-observação de suas sensações, o mundo ocidental consegue efeito semelhante através do uso da tecnologia. A pessoa aprende a controlar, através de técnicas mentais de concentração e volição passiva (Cf. em “A ENERGIA MENTAL” no capítulo anterior), reações corporais como a tensão muscular, a temperatura corporal e das extremidades, a pressão sangüínea, a freqüência cardíaca e respiratória, e até o padrão de suas ondas cerebrais, que são acompanhadas ao monitor através dos sons e imagens gráficas. Esse processo é uma espécie de meditação. Provou-se cientificamente que o Sistema Nervoso Autônomo (SNA), considerado involuntário, pode ser condicionado por processos apropriados, fato milenarmente conhecido e praticado pelos iogues.

Tem seu uso indicado no controle total dos sintomas associados com a ansiedade, depressão, epilepsia, enxaquecas, tensões musculares, síndrome da dor crônica, transtornos vasculares periféricos, pressão alta, asma, bruxismo, incontinência urinária, incontinência fecal e déficit de atenção. Terapias de relaxamento, reeducação neuromuscular, aumento da concentração para o aprendizado ou meditação, e o controle das ondas cerebrais para treinamento espiritual ou tranqüilidade interior, também podem ser obtidos através de técnicas de biofeedback.

Muitos se surpreendem com as mudanças que ocorrem no som e na imagem do monitor do equipamento central quando modificam seus pensamentos, sentimentos e emoções. Dessa forma, o biofeedback já é utilizado na psicologia como coadjuvante, no tratamento de transtornos como a ansiedade e a síndrome do pânico, por exemplo.

Categoria: Órion Volume 2

Temos 52 visitantes e Nenhum membro online

Informações do Portal

Visitantes
819
Artigos
1368
Weblinks
27
Ver quantos acessos teve os artigos
9890507