Textos e Artigos

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

 

 
Um dos pensadores importantes da atualidade, Jean-Yves Leloup, tem como referência de vida o Ser, o Divino presente em cada indivíduo, que busca a paz e o sentido da vida. O que o homem designa, segundo a sua crença, como Jeová, Buda, Deus, Alá etc., esse sacerdote hesicasta reverencia como Clara Luz, Pura Consciência, Consciência Absoluta, Ser Essencial, ou, simplesmente, Absoluto.

 

 

Clique para Ampliar

Jean-Yves Leloup é autor de 43 obras, editadas na Europa e nos Estados Unidos

De vida espiritual intensa, Leloup é um buscador, que procura devotar sua existência ao recolhimento interior e à oração, cônscio de que a busca pelo aperfeiçoamento interior é a chave para pacificar as ´guerras´ que cada um trava em seu cotidiano, com reflexos no universo. Seu compromisso com uma educação que leva em conta todos os componentes do ser humano (físico, afetivo, emocional, religioso e intelectual) permeia, assim, todas as suas atividades.

Doutor em Psicologia, Filosofia e Teologia, Jean-Yves é conferencista reconhecido internacionalmente, presidente da Universidade Holística Internacional de Paris, membro da Organização das Tradições Unidas, ensina na Europa e Estados Unidos, e é orientador do Colégio Internacional de Terapeutas-CIT.

Como escritor, tem hoje 43 obras publicadas por editoras da França, Inglaterra, Itália, Alemanha, Espanha, Hungria, Argentina e dos EUA. No Brasil, país onde seus livros fazem muito sucesso, tem a sua obra editada pela Vozes, Verus e UESP.

Diversidade temática

Seu pensamento universalista e multidimensional versa sobre temas como a busca espiritual, reencarnação, evolução humana, ecologia, o relacionamento homem-mulher, paz; oferecendo uma abordagem e uma reflexão extremamente rica ao quotidiano. Para Marie de Solemne, uma estudiosa da sua obra, ´a considerável força da palavra de Jean-Yves Leloup é que ela é sistematicamente informada, ao mesmo tempo, por uma reflexão filosófica, psicanalítica e espiritual´.

Quanto a sua opção em ser padre, ele explica que quando descobriu Cristo, ao invés de ser apenas um professor de Psicologia e Filosofia, preferiu ser também sacerdote, por poder transmitir também essa dimensão espiritual. Não apenas de ensinamentos intelectuais, mas também através da prática, de forma a levar a transformação interior ao ser humano.

Um ser universal

Jean-Yves é um cidadão do mundo nascido na França em 1950, e que há 36 anos é um seguidor da tradição cristã-ortodoxa, as raízes doCristianismo. De postura francamente ecumênica, nutre um profundo respeito por outras crenças, pois segundo declara, o que separa uma religião da outra é a ignorância, junto com a vaidade e o desejo de poder. Para ilustrar, cita o evangelho de São João, onde está escrito que o Verbo, o logos, é aquele que esclarece e ilumina todo homem que vem a esse mundo, não apenas os cristãos.

A cosmovisão

Em entrevista recente ao Jornal da Comunidade, de Brasília, que quer saber seu ponto de vista sobre a questão do dogmatismo que caracterizaria as religiões cristãs em geral, ele ensina: ´Na origem, o dogma era um paradoxo. Era algo feito para despertar a consciência para além do funcionamento binário do cérebro. Por exemplo, o dogma que diz que Cristo é verdadeiramente homem e verdadeiramente Deus tem o sentido de ultrapassar, ir além da consciência ordinária. O dogma então é um pouco como o Koan, do japonês. Ou seja, um paradoxo que nos ajuda a ir além da razão, mas sem perder a razão. Mas hoje em dia o dogma é confundido com dogmatismo, que significa obrigar alguém a acreditar em algo. Isso é destrutivo. O dogma, na realidade, foi criado para que saíssemos do dogmatismo; é, desse modo, um convite para que verifiquemos se isto é verdade´.

FIQUE POR DENTRO

Aspectos da simbologia acerca da cruz

Conforme o Dicionário de Símbolos (Chevalier, J. & Greerbrant, A.Rio de Janeiro:: José Olympio, 1989), a cruz é um dos símbolos cuja presença é atestada desde a mais alta Antiguidade: no Egito, na China, em Cnossos, Creta, onde se encontrou uma cruz de mármore do século XV a.C. A cruz é, na teologia da rendencão, o símbolo do resgate devido por justiça e do anzol que pescou o demônio. Toda uma tradição exige a necessidade de um resgate ao demônio, baseado numa certa justiça. Esta intervém nas fases da economia redentora. O sacrifício da cruz era necessário e necessária, em conseqüência, a morte do Cristo para que o homem fosse libertado dos efeitos do pecado.

Donde o uso freqüente do termo ´resgate´. A cruz lembra uma espécie de anzol que fisga o demônio, imobilizando-o e impedindo que ele prossiga a sua obra. São Boaventura compara também a Cruz do Cristo à árvore da vida: a cruz é uma árvore de beleza; sagrada pelo sangue do Cristo, cobre-se de todos os frutos. A madeira da verdadeira cruz do Cristo ressuscita os mortos.
Categoria: Artigos CIT